tribuna socialista

domingo, agosto 07, 2005

A LÓGICA LIBERAL É CONTRÁRIA A UM SISTEMA DE LIBERDADES!

Há hoje, neste Planeta, um sistema que tem vindo a ser imposto: a ditadura do que é rentável!

Quando é rentável (seja lá o que isso for...) os poderes apoiam, quando não é rentável destroem, suprimem, acabam!

Um sistema de liberdades e de direitos é incompatível com o sistema do ser rentável...

Ser rentável tem um significado que é determinado por uns quantos em nome dos seus próprios interesses. O mais espantoso é que esses quantos que se regem pela mesma bitola e pelos mesmos conceitos, encontram-se à direita mas também nas esquerdas ...

O ser rentável acaba por se tornar, políticamente falando, numa espécie de dominação ideológica. Económicamente falando, ser rentável é o reino das empresas e dos empresários e o ignorar sistemático do trabalho e dos trabalhadores. Mas também dos consumidores.

Do lado da dominação política e ideológica, temos, como exemplo recente, as nomeações dos amigos de Sócrates para a Administração da CGD. Um exemplo que também se pode descobrir em todas as alternâncias que o parlamentarismo produz...

O fim de títulos como O COMÉRCIO DO PORTO e A CAPITAL determinado por um grupo espanhol, é outro exemplo da incompatibilidade do ser rentável com uma liberdade concreta, a liberdade de expressão e de comunicação. Foi determinado por um grupo espanhol, mas poderia também ter sido por um grupo português. Como já aconteceu!

O fim do BALLET GULBENKIAN determinado por um tipo de gestão baseado no ser rentável, é mais um exemplo da incompatibilidade desse sistema com uma outra liberdade concreta, a da criação artística!

É claro que um governo como o de Sócrates, também ele sujeito/subjugado ao sistema do ser rentável, limitou-se a gerir o silêncio para ... não perturbar o mercado!!!

No plano internacional, o que se passa com a luta anti-terrorista é outro exemplo que se poderia apontar: não tem prevenido e muito menos evitado o terrorismo. No entanto, perturba, restringe, atrofia as liberdades e os direitos civis!

O liberalismo dos dias da globalização capitalista assenta neste sistema do ser rentável e na ditadura dos interesses de uns quantos ... É uma nova forma de totalitarismo à escala planetária!

4 comentários:

portugal da silva disse...

...o socialismo libertário que anuncia é algo já visto, não acha?
Temos aí a história para conferir...ou estará na onda de um socialismo neo-libertário?

Direct Current disse...

Permita-me que discorde. A lógica liberal torna possível a liberdade dos indivíduos. Ou estaremos a falar aqui não de pessoas mas de "sistemas aos quais os indivíduos são obrigados a permanecer" ?

Não defende o parlamentarismo, porque pressupõe que leva ao favorecimento dos "amigos". Defende então o quê? Participação democrática de todos os interessados, i.e., a sociedade, na nomeação de cargos de directores-gerais e afins?

É contra a liberdade de mercado, é contra o "ser rentável", mas esquece-se que as sociedades evoluídas deixaram de querer controlar as forças de mercado, deixando - libertando - porque permite ao povo escolher o melhor para ele. República Popular da China, não lhe diz nada?

Per si, o sistema não é uma ditadura - eu que sou antifascista e sempre o serei - ele dá a opção de escolha ao indivíduo.

Outra questão, a globalização não é o mesmo que totalitarismo. Porque nada proibe que o "interesse de uns quantos" seja o Vosso interesse. A definição do poder económico deixa de ser política, assente numa ideologia qualquer, e passa a ter a racionalidade inerente da necessidade do indivíduo.

Porque senão, continuava tudo na mesma, os bailarinos da Gulbenkiam ficariam "na mesma" durante mais 40 anos, e a Fundação não poderia investir em outro tipo de espectáculos para "apimentar" a cultura portuguesa.

Ah.. quanto ao seu comentário internacional, faz-me muita pena. "No entanto, perturba, restringe, atrofia as liberdades e os direitos civis!" Então a luta anti-terrorista não é isso mesmo? Parece-me que o senhor deve ser daqueles que vai para a guerra armado com uma bandeira da I.S., com uma grande fezada é claro!

Quando se debate o problema de terrorismo, há sempre falaciosos que pôe em cima da mesa a questão dos direitos civis. Ironicamente, são sempre os primeiros a exigir respostas enérgicas do Governo quando rebenta uma bomba no seu Quintal.

Haja paciência!

Geosapiens disse...

falar do que é rentável...talvez as nações sejam projectos rentáveis pelo menos para os seus governantes...por isso se mantêm...no fundo se houvesse uma grande confederação de federações regionais...a rentabilidade seria melhor...haveriam menos tachos e menor progressão do poder...era uma chatice assim todos tem o seu quinhão...

Saramago disse...

Direct Current,

Não podemos chamar "liberdade" ao liberalismo, pois essa "liberdade" é só para os que têm poder, para quem tem empresas. Quem não tem nada é a vitima da "liberdade" do patrão.

Eu estou num sistema ao qual os individuos são obrigados a permanecer, isto é, a terra é de todos e ninguém tem legitimidade moral, e nem sequer natural - visto que só há quinhentos anos é que há propriedade privada -, para possuir terras. Porque é que essas terras não são minhas ou suas e são apenas de uma pessoa? Porque é que essas terras não podem ser exploradas por todos, tal como nas antigas sociedades tribais era natural? Alguém passava fome? Como é que hoje que estamos tão desenvolvidos tecnológicamente, temos tantas tecnicas de cultivo e de produção e podem haver pobres? Se eu não conhecesse a sociedade a sociedade capitalista diria que isto é surreal!
Como é que o liberalismo pode significar liberdade visto que eu, para sobreviver tenho de trabalhar mil e receber 100? Se a terra é de todos porque é que o meu patrão pode ficar com metade ou mais do que eu produzo? Ainda para mais, eu não posso sair deste ciculo vicioso, pois, mesmo que eu tenha capacidades para abrir um negocio, vou passar a explorar outro alguém, e esse alguém pode levar-me à falência noutro dia, e a consequencia disto é a lei da selva, que nem os grupos tribais exerciam entre si. Isto é liberdade para si?
Porque é que as coisas não se produzem conforme as necessidades de cada um e se produzem conforme o que o meu patrão quer? Eu e a maioria dos portugueses podiamos querer que o Ballet Gulbenkiam ou A Capital ainda existissem, mas não existem porque não "é rentável" - e a cultura não pode de maneira nenhuma ser "rentável". Imagine não se construir um hospital porque tal não é "rentável", ou uma estrada que não é rentável. Isto seria o liberalismo que os novos liberalistas querem.
Isto é liberdade sim, mas o liberalismo é livre como um ditador também é livre!